top of page
O SPED Automation® nasceu com a missão de acelerar a transformação digital em Tax por meio

Governo antecipa fim da redução da tarifa de importação de 12 produtos de aço

Gecex excluiu os itens da siderurgia de Resolução Gecex, de 2022, que reduziu 10% do imposto de importação; medida visa tornar o aço brasileiro mais competitivo no mercado interno


Publicado em 19/09/2023 16h38 Atualizado em 19/09/2023 18h54


O Comitê Executivo de Gestão (Gecex) da Câmara de Comércio Exterior (Camex) aprovou, nesta terça-feira (19), a exclusão de 12 produtos siderúrgicos da Resolução GECEX 353, aprovada pelo comitê em 2022, que permitiu à época a redução do imposto de importação desses itens em 10%. A decisão será publicada no Diário Oficial da União e passará a valer a partir de 1º de outubro, quando a taxa de importação voltará a ser de 9,6% a 12,8%.


Para o presidente interino e ministro do MDIC, Geraldo Alckmin, “a decisão do Gecex reflete nosso compromisso de fortalecer a indústria nacional de aço. A exclusão desses 12 produtos siderúrgicos da redução da tarifa de importação vai garantir condições mais justas e competitivas para os fabricantes nacionais”.


A decisão foi tomada em resposta às preocupações da indústria nacional de aço, dado o aumento substancial das importações a preços muitas vezes objeto de práticas desleais nos últimos anos. Diversos países têm adotado políticas restritivas para barrar tais importações, o que leva na prática ao redirecionamento dessas importações para países como o Brasil.


A medida visa tornar o aço brasileiro mais competitivo no mercado interno, ajudando os fabricantes nacionais a enfrentar o surto de importações a preços desleais e, assim, manter a indústria local forte.


Na prática, o Gecex retira os 12 itens da lista, aprovada pelo comitê em 2022, que permitiu à época a diminuição do imposto de importação em 10%. Os 12 códigos de Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM) do aço que voltam à Tarifa Externa Comum (TEC) são: 7208.37.00 (Bobinas Grossas); 7208.38.90 (Bobinas a Quente); 7208.39.10 (Bobinas a Quente); 7208.39.90 (Bobinas a Quente); 7209.16.00 (Bobina a Frio); 7209.17.00 (Bobina a Frio); 7210.49.10 (Chapas Galvanizadas); 7210.61.00 (Chapas Revestidas de Alumínio-Zinco); 7213.91.90 (Fios-máquina); 7222.20.00 (Barra Inox a Frio); 7304.19.00 (Tubos sem costura); e 7304.29.39 (Tubos sem costura). A resolução do Gecex aprovada no ano passado autorizava o desconto da alíquota de importação desses produtos até 31 de dezembro de 2023.


Para o secretário executivo do MDIC, Márcio Elias Rosa, a decisão da Gecex deixa o aço brasileiro mais competitivo no mercado nacional. “A decisão do Gecex é importante para o parque siderúrgico brasileiro, sobretudo para a manutenção de empregos gerados pelo setor no Brasil”, avaliou.


Confira as deliberações da 207ª Reunião do Comitê-Executivo de Gestão (Gecex)


Fim do desconto da alíquota


O setor nacional do aço sentiu o impacto de recentes alterações de alíquotas do Imposto de Importação relacionadas a produtos siderúrgicos de outros países, como EUA e México. Desde 2018, os EUA elevaram as tarifas de importação sobre produtos de aço e alumínio. Já o governo mexicano aumentou, até julho de 2025, a tarifa de importação ao patamar de 25% para vários produtos, entre eles o ferro e aço.


Com isso, produtos do setor siderúrgico de países, como China, chegam ao mercado brasileiro com valores abaixo do mercado, prejudicando a compra de itens nacionais. No primeiro semestre deste ano, foram importados 1,5 milhão de toneladas desses produtos. Comparado com o primeiro semestre de 2022, o aumento dessas importações foi significativo, com variações de até 714%.


Diante desse cenário, o setor produtivo do aço pediu a elevação do imposto de importação de 18 códigos NCM. O Gecex aprovou a elevação tarifária para 12 códigos NCM com maior potencial de impacto econômico e de volume de importação, no curto prazo.


Lista Covid

Durante a reunião, o Ministério da Saúde levou ao Gecex o pleito para a exclusão de 221 produtos da Lista Covid. Criada no início da pandemia de COVID-19, decorrente da Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional (Espin), a lista estabelece a redução da alíquota de importação de 229 produtos da área da saúde. No último mês de março a Saúde anunciou a retirada sequencial de itens. São produtos que foram considerados críticos para o enfrentamento da pandemia.


O pleito do Ministério da Saúde requer a manutenção de apenas oito desses códigos NCM na lista, entre medicamentos e dispositivos médicos de importância para a saúde pública brasileira. O tema será analisado pelo Comitê de Alterações Tarifárias e, na sequência, será avaliado e deliberado na próxima reunião do Gecex, prevista para outubro. O Secretário Executivo do MDIC, Márcio Elias Rosa, destacou que o anúncio antecipado do pedido do MS confere publicidade ao tema e já sinaliza para o setor o que poderá vir a ser deliberado.


Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços

4 visualizações

Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


bottom of page